Tag Archive | Preconceito

Eu nunca tive um amigo negro

Cláudio César Dutra de Souza

Jornal O Globo, em 24 de agosto de 2010

Nunca se discutiu tanto a questão racial no Brasil como na época da aprovação da lei das cotas para negros em nossas universidades públicas. Também foi esclarecedora a percepção de nossas limitações nesse assunto. Subitamente fomos brindados com as mais sofisticadas teorias sobre a inexistência do conceito de “raça”, que seriam muito bem vindas caso não estivesse totalmente deturpadas pelo nosso “racismo cordial”. Ao pensar em um suposto “conflito racial”, algumas pessoas foram a público denunciar a inconstitucionalidade, a aberração e a inutilidade de uma política de cotas para negros, visto que não existe racismo no Brasil. Daiane dos Santos, Neguinho da beija Flor e tantos outros foram “branqueados” e alçados a sua genética condição européia que lhes excluiria de uma vaga especial pelo sistema de cotas. Ao lermos o livro de ficção científica de Monteiro Lobato, “O presidente negro”, somos capazes de entender o que pode significar tais asserções e os aspectos políticos nelas envolvidos. Subitamente branqueamos os nossos negros, paradoxalmente, para mantê-los afastados de nós e de qualquer compensação reparatória, mesmo que mínima. Leia Mais…

Anúncios

Espancando a empregada

Cláudio César Dutra de Souza

Publicado originariamente na seção opinião do jornal O Globo em 13 de setembro de 2010 com o título “empregadas e a memória escravocata”

O título desse artigo é inspirado no livro do americano Robert Coover, lançado em 1982, que narra uma relação sado masoquista entre um patrão e a sua empregada. A essa era exigida a mais absoluta perfeição na execução de suas tarefas que, malgrado os seus esforços, constituía-se em algo impossível de ser alcançado. Conseqüentemente, ela sofria uma série de punições de violências físicas e psicológicas a qual suportava com a resignação típica do escravo cujas correntes, para além do real, se constituem como parte integrante de sua personalidade. O gancho do livro convida à reflexão sobre um tempo recente em que o Brasil era um latifúndio de empregadas domésticas que habitavam os lares da classe média brasileira, cujas relações patrão – empregada formavam uma cadeia exploratória naturalizada. Leia Mais…