Tag Archive | Cultura Brasileira

Ana de Hollanda é uma estrutura

Cláudio César Dutra de Souza

Inédito

A situação da ministra da cultura, Ana de Hollanda é uma eterna incógnita. Sua gestão, recém-iniciada, já sofre críticas da oposição, como seria de se esperar, mas principalmente da classe artística e de setores de seu próprio partido. Diversas vezes a presidente Dilma Rousseff foi obrigada a declarar publicamente o seu apoio a uma enfraquecida e confusa Ministra, incapaz de lidar com os espinhos e sutilezas do poder.  Filha de Sérgio Buarque de Hollanda, irmã de Chico e Miucha, tia de Bebel, a presença de Ana de Hollanda a frente do Ministério da Cultura parece ser uma jogada de conveniência do governo, um tributo a um grupo que, desde os anos 60 representa certa elite cultural brasileira cujos padrões de bom gosto retroalimentam as aspirações ufanistas/intelectuais do ouvinte médio. Ana de Hollanda, mais do que uma ministra inexpressiva, é uma estrutura. Leia Mais…

Anúncios

Eu nunca tive um amigo negro

Cláudio César Dutra de Souza

Jornal O Globo, em 24 de agosto de 2010

Nunca se discutiu tanto a questão racial no Brasil como na época da aprovação da lei das cotas para negros em nossas universidades públicas. Também foi esclarecedora a percepção de nossas limitações nesse assunto. Subitamente fomos brindados com as mais sofisticadas teorias sobre a inexistência do conceito de “raça”, que seriam muito bem vindas caso não estivesse totalmente deturpadas pelo nosso “racismo cordial”. Ao pensar em um suposto “conflito racial”, algumas pessoas foram a público denunciar a inconstitucionalidade, a aberração e a inutilidade de uma política de cotas para negros, visto que não existe racismo no Brasil. Daiane dos Santos, Neguinho da beija Flor e tantos outros foram “branqueados” e alçados a sua genética condição européia que lhes excluiria de uma vaga especial pelo sistema de cotas. Ao lermos o livro de ficção científica de Monteiro Lobato, “O presidente negro”, somos capazes de entender o que pode significar tais asserções e os aspectos políticos nelas envolvidos. Subitamente branqueamos os nossos negros, paradoxalmente, para mantê-los afastados de nós e de qualquer compensação reparatória, mesmo que mínima. Leia Mais…