Archive | outubro 2009

Dominação, petróleo e ideologia

Sílvia Ferabolli e Cláudio César Dutra de Souza

Le Monde Diplomatique, fevereiro de 2008 (ver tambem Ferabolli, Silvia “A política externa americana para o Oriente Médio: petróleo, poder e ideologia. Revista IHU (Instituto Humanitas Unisinos – IHU), março de 2007).

Esse breve ensaio busca responder três questionamentos centrais que intrigam aqueles que acompanham o desenrolar dos conflitos no Oriente Médio. São eles: 1) qual é o real interesse dos Estados Unidos no Oriente Médio? 2) por que a aliança com os dois Estados-chave do Mundo Árabe – o Egito e a Arábia Saudita – não é vista como suficiente para assegurar os interesses norte-americanos na região? 3) por que Israel é percebido como o aliado central e necessário dos Estados Unidos na região? Esse debate, que envolve necessariamente entender do peso do petróleo, do poder e da ideologia nas ações de política externa norte-americana para o Oriente Médio, terá por base o pensamento de Emmanuel Todd e Edward Said sobre tais assuntos. Leia Mais…

Anúncios

Roberto Freire e Austregésilo Carrano morreram…mas passam muito bem!

Cláudio César Dutra de Souza

Inédito

“Eu só falei de amor em toda a minha vida, nos 25 livros que publiquei, mas não tenho a menor explicação para ele” (Roberto Freire).

Eles morreram no mês de maio de 2008, respectivamente nos dias 23 e 27, na cidade de São Paulo. Dois brasileiros que dedicaram suas vidas para que as nossas fossem menos injustas, caretas e autoritárias. Roberto Freire e Austregésilo Carrano Bueno sentiram na carne o grilhão pesado da ditadura, do fascismo psiquiátrico, da ditadura, enfim, de instituições rígidas e prontas a assassinar dentro de cada indivíduo a sua criatividade, a sua liberdade e a sua sexualidade em nome de uma vaga idéia de bem estar. Em nossos tempos em que os atos de fumar, beber e fazer sexo livremente são objetos de um feroz patrulhamento ideológico, civil, estatal e religioso, o desaparecimento quase ao mesmo tempo de Freire e Carrano pode simbolizar o fim de uma era utópica na qual pensávamos-nos libertos de estruturas que insistem em acorrentar-nos a um passado hipócrita, vitoriano e certamente muito chato. Leia Mais…